Alimentos que melhoram os sintomas da Espondilite Anquilosante

 

A espondilite anquilosante é uma patologia de foro reumático com características autoimunes cada vez mais comum, ou pelo menos, cada vez mais diagnosticada.

 

Como qualquer patologia de foro reumático e autoimune, os sintomas da espondilite anquilosante tendem a melhorar bastante quando se fazem alterações a nível alimentar.

 

Eu sei bem disso, porque como portadora desta doença, consegui e consigo fazer a manutenção dos meus sintomas através daquilo que como, pelo que no meu caso, a medicação é usada apenas como último recurso, nas chamadas crises espondilíacas.

Assim, hoje quero partilhar contigo alguns dos alimentos que considero muito importantes para a diminuição da inflamação no corpo e como consequência, a diminuição das dores características da EA.

 

Ácidos Gordos ómega-3
Alimentos com elevado teor de ácidos gordos omega-3 trazem-nos bastantes benefícios. Estas gorduras mostram-se promissoras na diminuição da inflamação, incluindo a rigidez matinal e as articulações doloridas.
O desafio é conseguirmos ingerir ómega-3 em quantidades elevadas, porque o nosso corpo não produz estes ácidos gordos, logo temos que garantir a sua presença na nossa rotina alimentar diária.

Algumas das principais opções de alimentos ricos em omega-3 incluem as algas, as sementes de chia, as sementes de linhaça e de cânhamo.

 

O intestino…

Existem algumas ligações intrigantes entre a saúde intestinal e a EA. Alguns trabalhos de investigação sugerem que certas cadeias de probióticos, como o Lactobacillus casei, podem reduzir a inflamação.
Esta é uma informação bastante pertinente, pois nem todos os probióticos são iguais, nem tão pouco servem para todo e qualquer quadro clínico, pelo que é importante sabermos qual ou quais as stripes de probióticos que melhor se adequam ao nosso caso em particular.

 

Jejum, alimentação vegetariana e fibras…

Algumas investigações sugerem que o jejum (intermitente ou não) pode ser útil para pessoas com doenças crónicas e autoimunes.

Além disso, a adoção de uma alimentação vegetariana estrita também está associada à melhoria dos sintomas e diminuição da inflamação no corpo de forma geral.

 

Uma das grandes vantagens de se adotar uma alimentação de base vegetal diz respeito ao aumento no consumo de fibras.

 

Sabemos que devemos ingerir entre 20 a 40g de fibra por dia, mas no caso das doenças de base inflamatória, esta recomendação ainda se torna mais importante porque uma dieta rica em fibras solúveis e insolúveis está associada a uma redução dos níveis de PCR (proteína C reativa) no sangue, o que significa menor índice de inflamação geral.

Para isso, aposta em lentilhas (1 chávena contem cerca de 15,5g de fibra); peras (5,5g), esparguete integral (6,3g), framboesas (1 chávena contem cerca de 8g) entre outras.

 

Ao fazeres pequenas, mas consistentes mudanças na tua rotina alimentar vais começar a notar que as dores vão diminuindo e a vitalidade aumenta. Experimenta e depois partilha os resultados comigo 😉

 

Um beijinho,

 

 

 

• Bloomfield HE, et al. (2015). Benefits and harms of the Mediterranean diet compared to other diets. ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK379571/
• Lucas L, et al. (2011). Molecular mechanisms of inflammation. Anti-inflammatory benefits of virgin olive oil and the phenolic compound oleocanthal. ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21443487
• Mayo Clinic Staff. (2015). Chart of high-fiber foods. mayoclinic.org/healthy-lifestyle/nutrition-and-healthy-eating/in-depth/high-fiber-foods/art-20050948
• More fiber, less inflammation? (2015). arthritis.org/living-with-arthritis/arthritis-diet/anti-inflammatory/fiber-inflammation.php
• Vaghef-Mehrabany E, et al. (2014). Probiotic supplementation improves inflammatory status in patients with rheumatoid arthritis. DOI: 10.1016/j.nut.2013.09.007
• Young-Ho L, et al. (2012). Omega-3 polyunsaturated fatty acids and the treatment of rheumatoid arthritis: A meta-analysis. DOI: 10.1016/j.arcmed.2012.06.011
>> Ícones: Design by flaticon.com

Deixa um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

  • Bom dia Vera, conheci o teu Blogue recentemente, através da Academia Digital. Fiquei curiosa porque eu também fui à uns poucos anos atrás diagnosticada com uma “prima” da EA, (Espondilartrite Axial- inflamação das articulações). Após 38 anos aparentemente saudável, entrar no mundo das doenças autoimunes foi um choque e requereu muita pesquisa para perceber o que poderia fazer para reduzir naturalmente a inflamação do meu corpo. Infelizmente, mesmo alterando a alimentação e incluindo estes alimentos poderosos que descreveste, eu nāo consegui deixar de tomar anti-inflamatórios. Apenas agora que estou grávida e que tive a sorte de os sintomas terem minimizado, deixei de precisar da medicação. Mas sei que eles poderão surgir logo após o nascimento.
    Gostava de saber a tua opinião sobre o retirar o glúten, o açúcar e incluir a curcuma juntamente com pimenta. Sāo muito falados para a redução da inflamação.
    Obrigada pela partilha sobre o tema.

    • Olá Luísa 🙂

      Sim, o glúten foi um dos principais alimentos que teve um impacto muito positivo nas minhas dores quando o tirei da alimentação. Em relação ao açúcar, este é um alimento inflamatório pelo que é recomendável diminuir a sua ingestão ao máximo 😀