Ansiedade na Espondilite Anquilosante

 

Acredita que como portadora de espondilite anquilosante, sei bem o quanto a ansiedade nos pode oprimir, por isso, decidi partilhar contigo as estratégicas que uso para lidar com a ansiedade na espondilite anquilosante, para que não tenhas que te sentir assim por muito mais tempo.

 

Sendo a espondilite anquilosante uma doença reumática crónica, degenerativa com curso de dor e com características autoimunes, é normal que a saúde mental seja, de alguma forma, afetada.

Para teres uma noção clara, a espondilite anquilosante causa uma inflamação dos tecidos conectivos, afetando a coluna e as grandes articulações, como a pélvis, ombros, pulso, cotovelos, entre outras.

 

É uma condição clínica para a qual ainda não existe tratamento efetivo, mas com uma boa alimentação, atividade física e a toma de determinados suplementos, podemos controlar os sintomas com relativa facilidade.

 

Como é uma doença crónica, ela pode levar a crises de ansiedade, aliás, de acordo com o estudo “arEA – avaliação de Resultados em Espondilite Anquilosante“, da Universidade Nova de Lisboa, muitos dos doentes com EA podem desenvolver outros quadros clínicos, incluído os transtornos do sono e fibromialgia.

 

Mas no que respeita à ansiedade, a sua prevalência é elevada (54,4%) e não é para menos.

 

Quem é portador de espondilite anquilosante vive na inconstante incerteza sobre o dia seguinte, o mês seguinte, o ano seguinte, basicamente uma incerteza que gira à volta do seu futuro e do que poderá a ser a sua qualidade de vida à medida que o tempo passa.

No entanto, a ansiedade, assim como a maioria dos outros sintomas, é um sinal de que algo está desequilibrado no nosso corpo ou na nossa vida, podendo resultar de vários fatores, desde um desequilíbrio de açúcar no sangue, até carências nutricionais.

Outra causa comum da ansiedade pode estar associada à nossa resposta ao stress. Se tivemos um histórico de experiências traumáticas na nossa vida, isso pode nos predispor à ansiedade e à necessidade de estarmos constantemente vigilantes.

Por isso é importante perceber que embora as causas principais da ansiedade possam variar de pessoa para pessoa, existem várias estratégias que funcionam rapidamente e são fáceis de implementar no dia a dia.

 

 

Estratégias fundamentais para a redução da ansiedade na espondilite anquilosante

 

1. Equilibra o açúcar no sangue: Uma das estratégias mais importantes para reduzires a ansiedade na espondilite anquilosante envolve uma boa reeducação alimentar.

Sabemos que o consumo de alimentos processados e ricos em açúcar pode causar oscilações de glicose no sangue, o que por sua vez incentiva a uma libertação rápida e excessiva da hormona insulina.

Quando esta hormona é libertada em excesso pelo nosso corpo, normalmente é procedida por uma diminuição brusca dos níveis de glicose.

Este acontecimento pode causar sintomas desagradáveis, como ansiedade, nervosismo, tontura, fadiga, fome excessiva e irritabilidade.

Garante por isso, que todos os dias consomes alimentos ricos em fibra, pobres em açúcar, especialmente alimentos processados e alimentos ricos em proteínas de boa qualidade como é o caso do feijão, da quinoa e da soja.

 

2. Reduz a ingestão de cafeína: Se bebes café, sumos e refrigerantes ou chá preto, é importante que te esforces para reduzir a ingestão de cafeína, o que te poderá vir a ser bastante útil.

Lembra-te que a cafeína é um estimulante potente, que em algumas pessoas mais sensíveis pode causar sintomas de irritabilidade e nervosismo.

 

3. Remove os alimentos potencialmente nocivos: Existem alimentos que por natureza são mais propensos a causar reacções alérgicas ou adversas em pessoas mais sensíveis, especialmente naquelas que já têm elevados níveis de inflamação no corpo, como é o caso do doente com espondilite anquilosante.

Alguns desses alimentos responsáveis incluem o glúten, laticínios, soja, milho e açúcar, por isso, experimenta eliminá-los por um período de tempo e depois volta a adicionar para ver como o teu corpo reage.

 

4. Cuida da tua flora intestinal: As bactérias intestinais saudáveis auxiliam a produção de serotonina; portanto, tomar probióticos pode ser muito útil.

 

5. Toma um suplemento de magnésio: Pesquisas sugerem que uma deficiência de magnésio pode estar associada à ansiedade. Existem algumas evidências que sugerem que a suplementação de magnésio pode reduzir os sintomas de medo e pânico.

 

6. Nutre-te de antioxidantes: O consumo de frutas pode melhorar a sinalização no cérebro devido à sua riqueza em compostos antioxidantes e anti-inflamatórios. Por exemplo, uma chávena de mirtilos por dia pode melhorar a cognição entre adultos mais velhos.

 

Trabalha as tuas emoções

 

A alimentação, o estilo de vida, a suplementação e as plantas medicinais ajudam muito a diminuir a ansiedade e a nos permitir viver a vida com maior leveza, no entanto, nada substitui o acompanhamento psicológico. Por isso garante que és acompanhada por um psicólogo, ao mesmo tempo que colocas em práticas todas as outras ferramentas que te vão ajudar e apoiar no teu caminho.

 

Artigos relacionados

 

 

 

Referências
• Boyle, N. B., Lawton, C., & Dye, L. (2017). The Effects of Magnesium Supplementation on Subjective Anxiety and Stress-A Systematic Review. Nutrients, 9(5), 429. https://doi.org/10.3390/nu9050429

• Miller, M.G., Hamilton, D.A., Joseph, J.A. et al. Dietary blueberry improves cognition among older adults in a randomized, double-blind, placebo-controlled trial. Eur J Nutr 57, 1169–1180 (2018). https://doi.org/10.1007/s00394-017-1400-8

Subscrever
Notificar de
guest

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
  • Sobre

    Sou a Vera, naturopata especializada na saúde da mulher e da criança e autora do livro Nascer e Crescer Vegetariano.

    Segue no Facebook
    Categorias
    Livros e Materiais
    Cursos e Masterclasses Online

    Todas as informações fornecidas por este website destinam-se única e exclusivamente para finalidades informativas ou educacionais, não tendo a intenção de substituir as orientações fornecidas pelo profissional de saúde ou médico, nem para serem utilizadas para diagnóstico ou tratamento clinico.

    Tens a minha autorização para utilizar os conteúdos da página da forma que quiseres.

    Conhecimento e sabedoria são recursos inesgotáveis que crescem ao serem partilhados. Todos beneficiamos com isso! No entanto, não nos responsabilizamos por nenhuma consequência direta ou indiretamente tomada com base nas informações desde website.

    Se quiseres explorar mais conhecimentos e informações em fontes credíveis e reconhecidas, clica aqui para ver a lista de recursos que recomendo.