B12. Qual a melhor opção?

Share on facebook
Facebook
Share on linkedin
LinkedIn
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp

 

A vitamina b¹² é uma vitamina hidrossolúvel (solúvel em água) produzida por bactérias mas que não é sintetizada pelo organismo humano, encontrando-se por norma em alimentos de origem animal.

 

Ao contrário do que se possa pensar, a deficiência de vitamina b12 é muito frequente nos dias de hoje, não sendo exclusiva dos vegetarianos.

Existe uma elevada taxa de défice de b12 entre as pessoas com uma dieta omnívora, especialmente entre os indivíduos que apresentam problemas de absorção gastrintestinal.

A b12 têm uma importância crucial para o correcto funcionamento do nosso corpo, uma vez que a sua deficiência leva a transtornos hematológicos, neurológicos e cardiovasculares, principalmente, por interferir no metabolismo da homocisteína e nas reacções de metilação do organismo.

 

É comum presumirmos que como não apresentamos sintomas não temos deficiência de b12 no entanto a sua deficiência pode permanecer assintomática por longos períodos, desencadeando uma deficiência crónica que, se mantida, pode levar a manifestações neurológicas irreversíveis. [1],[2],[3],[4],[5],[6]

 

Curiosidade: O termo vitamina B¹² é atribuído a uma família de substâncias compostas por um anel tetrapirrolico que circunda um átomo central de cobalto, um grupo nucleotídeo, que consiste na base 5,6-dimetilbenzimidazol e numa ribose fosforilada esterificada com 1-amino, 2-propanol.

O nome do grupo é cobalamina, e ele pode apresentar diferentes ligações, cada uma conferindo um nome diferente: metil (metilcobalamina), hidroxil (hidrocobalamina), água (aquacobalamina), cianeto (cianocobalamina) e S-deoxiadenosin (deoxiadenosilcobalamina).

Quimicamente, o termo vitamina B¹² refere-se à hidroxicobalamina ou cianocobalamina, ainda que genericamente seja aplicado para todas as formas de cobalamina. A forma predominante no soro é a metilcobalamina e no citosol é a adenosil cobalamina. [7]

 

METILCOBALAMINA

A metilcobalamina é a forma activa da vitamina B¹², é mais biodisponível e melhor absorvida do que a cianocobalamina, uma vez de que não há necessidade da sua conversão pelo organismo, ou seja, é retida de forma mais eficaz pelo fígado e outros tecidos.

A metilcobalamina actua como um co-factor para a síntese da metionina, através da conversão de homocisteína em metionina, reduzindo assim, os níveis de homocisteína no sangue.

A Metilcobalamina actua como doadora de grupos metil e participa na síntese do SAM-e (S-adenosilmetionina) – um nutriente que tem a propriedade de potênciar o humor. O SAM-e é produzido a partir do aminoácido metionina e do ATP, sendo um doador de grupos metil, envolvido na produção de importantes compostos no organismo. [8]

A cianocobalamina é a forma mais comum de Vitamina B¹², que depois de ingerida é convertida pelo fígado em Metilcobalamina, mas em quantidades pequenas e com poucos efeitos terapêuticos, por isso é que as doses são mais elevadas.

 

DEFICIÊNCIA DE METILCOBALAMINA

A deficiência de Vitamina B¹² é causada por uma diversidade de factores, dentre os quais a diminuição da acidez gástrica, o uso de bloqueadores da acidez gástrica, o uso excessivo de laxantes, a deficiência do factor intrínseco, uma deficiente absorção a nível intestinal, deficiência de cálcio ou excessiva degradação da própria Vitamina B¹².

É importante ainda lembrar que a deficiência de Vitamina B¹² imita vários estágios das doenças de origem neurológica, psicológica e cardiovascular, além de causar anemia.

Não é por acaso que vários investigadores têm-se dedicado ao seu estudo, por exemplo, cientistas japoneses associaram a importância da metilcobalamina na proteção contra as doenças neurológicas que incluem Doença de Parkinson, neuropatias periféricas, Doença de Alzheimer, distrofia muscular, entre outras.

 

E mais, alguns estudos publicados mostram que elevadas doses de metilcobalamina, são necessárias para regenerar os neurónios, bem como a bainha de mielina dos nervos.

 

Assim, podemos concluir que a Metilcobalamina é muito importante para a nossa saúde. Sendo esta a forma activa da Vitamina b¹² – que difere da cianocobalamina – resulta numa absorção de quantidades muito maiores de b12, quantidades estas que o nosso organismo requer para corrigir defeitos neurológicos e proteger-nos contra o envelhecimento. [9],[10],[11]

 

Algumas (entre muitas) das investigações realizadas sobre a b12

 

 

DISTROFIA MUSCULAR: Pesquisadores japoneses investigaram os efeitos da Metilcobalamina em ratos com distrofia muscular e detectou-se que a suplementação com metilcobalamina levou à regeneração dos terminais nervosos motores em locais onde os mesmos se encontravam degenerados. [12]

 

ESCLEROSE MÚLTIPLA: Pesquisadores japoneses investigaram os efeitos da administração diária de 60mg de metilcobalamina em pacientes com esclerose múltipla crónica progressiva e foram observadas melhorias substanciais nas degenerações visuais e auditivas, ao qual se concluiu que a suplementação com metilcobalamina pode ser benéfica nos pacientes em estágios iniciais da doença. [13]

 

DOENÇA DE ALZHEIMER: Pesquisadores japoneses investigaram os efeitos da administração intravenosa de grandes quantidades de metilcobalamina (40 a 80 mg) a pacientes com Alzheimer. Verificaram que houve melhorias nas funções intelectuais, tais como memória, emoções e comunicação com outras pessoas. [14]

 

DOENÇA DE PARKINSON: Pesquisadores japoneses investigaram os efeitos da proteção da Metilcobalamina contra a toxicidade do glutamato causado pela L-dopa.

A dopamina é um neurotransmissor que controla as funções motoras. Ela transmite as mensagens até diferentes regiões do cérebro e ao longo dos nervos, de modo a coordenar os movimentos dos músculos.

O metabolismo correcto da dopamina é também necessário para manter um estado psicológico de bem estar. As pessoas mais idosas sofrem uma interrupção progressiva do metabolismo de dopamina, que pode causar fraqueza muscular, perda de coordenação e depressão.

A doença de Parkinson é causada pela destruição prematura das células cerebrais que produzem dopamina. A dopamina é formada a partir do aminoácido L-dopa. Quanto mais L-dopa entrar no cérebro, mais dopamina é produzida, mas o problema é que a L-dopa por si só é tóxica para as células cerebrais e é uma causa direta para a morte das células cerebrais.

Os mecanismos da toxicidade do L-dopa são a libertação excessiva de glutamato por parte dos neurónios, que lesiona e mata as células cerebrais. O tipo de células cerebrais mais vulneráveis ao glutamato são as células envolvidas no metabolismo de dopamina e no controle neuro-motor.

É aí que entre a metilcobalamina que tem demonstrado proteger o cérebro contra a toxicidade do glutamato causada pelo L-dopa. [15]

 

INSÓNIA: Investigadores alemães estudaram o efeito da metilcobalamina no desempenho e ritmo circadiano em indivíduos normais. O estudo demonstrou que a metilcobalamina apesar de reduzir o tempo de sono em humanos, melhora substancialmente a qualidade do mesmo, fazendo com que se levantem mais descansados e despertos e com melhorias nos níveis de concentração. [16]

 

SISTEMA IMUNITÁRIO: Investigadores japoneses estudaram o efeito da metilcobalamina sobre a imunidade em humanos e mostrou-se que após a suplementação com metilcobalamina, ocorreu um aumento da atividade das células T quando as mesmas foram expostas a determinados antígenos.

Também demonstrou melhorar a actividade das células coadjuvantes das mesmas. Concluiu-se assim, que a metilcobalamina pode modelar a função linfocitária ao aumentar a actividade reguladora das células T. [17]

 

CANCRO: Investigadores japoneses estudaram o efeito da metilcobalamina sobre diversos tipos de tumores em ratos.

Esta suplementação foi feita durante 7 dias e mostrou inibir o crescimento de tumores de fígado, pulmão e peritónio. Todos os ratos suplementados tiveram um período de vida mais longo do que o grupo controle que não recebeu a metilcobalamina. [18]

 

PROTECÇÃO CONTRA MORTE DAS CÉLULAS CEREBRAIS: Um estudo feito em ratos por investigadores japoneses demonstrou que a metilcobalamina pode proteger contra a toxicidade causada por glutamato, aspartame e nitroprussiato de sódio. [19]

 

PROTECÇÃO CARDIOVASCULAR: A dosagem de homocisteína é um valor essencial para garantir e controlar o bom funcionamento do sistema cardiovascular.

Dosagens elevadas de homocisteína podem ser um indicativo metabólico da diminuição dos níveis de metilcobalamina e acarreta danos na parede arterial interna bem como em outras células do corpo.

O tratamento por via parenteral com metilcobalamina demonstrou reduzir os níveis elevados de homocisteína no sangue, protegendo, portanto, o sistema cardiovascular.[20]

 

DOSAGEM USUAL: 1000 mcg / dia.

 

 

 

 

Referências
1.FAIRBANKS, V. F.; KLEE, G. G. Aspectos bioquímicos da hematologia. In: BURTIS, C. A.; ASHWOOD, E. R. Tietz: fundamentos de química clinica. 4. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan S. A., 1998. Cap. 36, p. 699-703.
2.GILLHAM, B.; PAPACHRISTODOULOU, D. K.; THOMAS, J. H. Wills’: biochemical basis of medicine. 3. ed. Oxford: Reed Educational and Professional Publishing Ltd, 1997. Cap. 22, p. 196-202.
3.HERRMANN,W. et al. Functional vitamin B12 deficiency and determination of holotranscobalamin in populations at risk. Clin Chem Lab Med, v. 41, n. 11, p. 1478-88, 2003.
4.HERRMANN, W. et al. Vitamin B-12 status, particularly holotranscobalamin II and methylmalonic acid concentrations, and hyperhomocysteinemia in vegetarians. Am J Clin Nutr, v. 78, n. 1, p. 131-6, 2003.
5.HERRMANN,W.; GEISEL, J.Vegetarian lifestyle and monitoring of vitamin B-12 status. Clin Chim Acta, v. 326, n. 1-2, p. 4759, 2002.
6.ZAGO, M. A.; MALVEZZI, M. Deficiência de vitamina B12 e de folatos: anemias megaloblásticas. In: FALCAO, R. P.; PASQUINI, R.Hematologia: fundamentos e pratica. São Paulo: Atheneu, 2001. Cap. 21, p. 195-210.
7.KLEE, G. G. Cobalamin and folate evaluation: measurement of methylmalonic acid and homocysteine vs vitamin B (12) and folate. Clin Chem, v. 46, n. 8 (pt2), p. 1277-83, 2000.
8.WEIR D, Scott J. Vitamin B12 “Cobalamin.” In: Maurice E. Shils, ed. Modern nutrition in health and disease, 9th edition, Lippincott Williams & Wilkins, 1999:447-458.,
9.COELHO D, et al. The cblD defect causes either isolated or combined deficiency of methylcobalamin and adenosylcobalamin synthesis. J Biol Chem 2004;279(4):42742-42749.
10.ELIA M. Oral or parenteral therapy for B12 deficiency. Lancet 1998;352:1721-1722.
11.OH R, Brown D. Vitamin B12 deficiency. Am Fam Physician 2003;67:979-986.
12.YAMAZAKI K, Oda K, Endo C, Kikuchi T, Wakabayashi T., “Methylcobalamin (methyl-B12) promotes regeneration of motor nerve terminals degenerating in anterior gracile muscle of gracile axonal dystrophy (GAD) mutante mouse”, Neurosci Lett. 1994, Mar 28;170(1):195-7.
13. KIRA J, Tobimatsu S, GotoI. “Vitamin B12 metabolism and massive-dose methyl vitamin B12 therapy in Japanese patients with multiple sclerosis”, Intern Med. 1994 Feb;33(2):82-6.
14. IKEDA T, Yamamoto K, Takahashi K, Kaku Y, Uchiyama M, Sugiyama K, Yamada, “Treatment of Alzheimertype dementia with intravenous mecobalamin”, M.Clin Ther. 1992 May-Jun;14(3):426-37.
15. MAEDA T, Cheng N, Kume T, Kaneko S, Kouchiyama H, Akaike A, Ueda M, Satoh M, Goshima Y, Misu Y, “LDOPA neurotoxicity is mediated by glutamate release in cultured rat striatal neurons”, Brain Res. 1997 Oct 10;771(1):159-62.
16.MAYER G, Kroger M, Meier-Ewert K, “Effects of vitamin B12 on performance and circadian rhythm in normal subjects”, Neuropsychopharmacology. 1996 Nov;15(5):456-64.
17.SAKANE T, Takada S, Kotani H, Tsunematsu T, “Effects of methyl-B12 on the in vitro immune functions of human T lymphocytes”, J Clin Immunol. 1982 Apr;2(2):101-9.
18.SHIMIZU N, Hamazoe R, Kanayama H, Maeta M, Koga S, “Experimental study of antitumor effect of methyl-B12”, Oncology. 1987;44(3):169-73.
19.AKAIKE A, Tamura Y, Sato Y, Yokota T, “Protective effects of a vitamin B12 analog, methylcobalamin, against glutamate cytotoxicity in cultured cortical neurons”, Eur J Pharmacol. 1993 Sep 7;241(1):1-6.
20. ARAKAKI A, Sako Y, Ito H. Plasma homocysteine concentrations in Japanese patients with non-insulindependent diabetes mellitus: effect of parenteral methylcobalamin treatment. Atherosclerosis 1993;103:149-157

Share on facebook
Facebook
Share on linkedin
LinkedIn
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp
Subscrever
Notificar de
guest

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

1 Comentário
mais antigo
mais recente mais votado
Inline Feedbacks
View all comments
Thaiz
Thaiz
1 ano atrás

Parabéns pela pesquisa, simplesmente perfeita.

  • Sobre

    Sou a Vera, naturopata especializada na saúde da mulher e da criança e autora do livro Nascer e Crescer Vegetariano.

    Segue nas Redes Sociais
    Categorias
    Livros e Materiais
    Cursos e Masterclasses Online

    Todas as informações fornecidas por este website destinam-se única e exclusivamente para finalidades informativas ou educacionais, não tendo a intenção de substituir as orientações fornecidas pelo profissional de saúde ou médico, nem para serem utilizadas para diagnóstico ou tratamento clinico.

    Tens a minha autorização para utilizar os conteúdos da página da forma que quiseres.

    Conhecimento e sabedoria são recursos inesgotáveis que crescem ao serem partilhados. Todos beneficiamos com isso! No entanto, não nos responsabilizamos por nenhuma consequência direta ou indiretamente tomada com base nas informações desde website.

    Se quiseres explorar mais conhecimentos e informações em fontes credíveis e reconhecidas, clica aqui para ver a lista de recursos que recomendo.