tosse, constipação

Constipações, tosse e bebés.

Share on facebook
Facebook
Share on linkedin
LinkedIn
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp

 

A cada ano, centenas de bebés e crianças sofrem de constipações e tosse, principalmente devido ao seu sistema imunitário ainda imaturo.

Quando constipadas, as crianças, começam logo a ficar com o nariz congestionado, com muita ranhoca (corrimento nasal), febre baixa, tosse, perda de apetite, irritabilidade e dificuldade em dormir, certo?

A natureza delas é de felicidade, alegria e brincadeira…de repente sentem-se mal e têm alguma dificuldade em compreender claramente aquilo que estão a sentir, como tal, o nosso papel é orientá-las e ajuda-las a sentirem-se o melhor possível no menor espaço de tempo.

Como sou a favor da posição da American Academy of Pediatrics na qual desaconselha dar medicamentos para a tosse e constipações a crianças menores de 4 anos devido aos potenciais efeitos colaterais desses medicamentos, opto, sempre que possível e de forma responsável, por métodos naturopáticos que facilitem o processo pelo qual o meu filho possa estar a passar.

A grande vantagem é que estes métodos tradicionais além de nutrirem a criança também lhe aliviam os sintomas e fortalecem o sistema imunitário.

No entanto, certifica-te de contactar o profissional de saúde do teu filh@ caso a febre dure mais de 3 ou 4 dias ou se os outros sintomas durarem mais do que uma semana. Se o bebé tiver 3 meses ou menos e se apresentar febre deves procurar de imediato apoio profissional.

Quero apenas deixar aqui uma nota em relação à febre.

A febre é um dos sinais mais evidentes de que o organismo encontrou algo desconhecido.

Quando o corpo aquece há a libertação de substâncias responsáveis por acelerar o metabolismo através de processos inflamatórios, que melhoram a actuação das células de defesa do organismo contra fungos, bactérias e vírus.

Funciona mais ou menos assim: durante as infecções, o sistema imunitário interactua com o hipotálamo.

Um aumento de 1ºC corresponde a um aumento de 10% das reacções de defesa do nosso corpo, sendo que alguns microorganismos infecciosos morrem a partir dos 38,8ºC.

Logo, se suprimirmos a febre com antipiréticos como o benuron®, além de atrasarmos o processo de recuperação também estamos a desactivar os mecanismos de protecção intrínsecos.

Compreendo que por vezes assusta, mas lembra-te que o medo que tens da febre foi-te transmitido de geração em geração. É quase como uma “herança cultural”.

Lembra-te também que as convulsões febris dão-se normalmente devido a um aumento brusco da temperatura corporal que geralmente ocorre quando se tomam antipiréticos, pois assim que passa o efeito do medicamento a temperatura dispara.

Claro que não devemos ser extremistas, nem oito nem oitenta, ou seja, até determinada temperatura e de acordo com aquilo que observas no teu filho, deixa que sejam as suas defesas a reagirem, claro que sempre observando de perto. Em caso de dúvida, procura de imediato o profissional de saúde que acompanha o teu filho ou liga para a Linha Saúde 24 (808 24 24 24).

Aqui, partilho contigo, alguns dos “truques” que uso para as constipações e tosses com bons resultados.

(estas indicações referem-se a bebés com mais de 6 meses e as dosagens devem ser de acordo com as indicações do profissional de saúde)

Líquidos: Certifica-te que dás ao teu filh@ muito líquidos para evitar a desidratação.

Uma boa hidratação ajuda a eliminar as secreções do corpo, tornando mais fácil a expulsão dos germes e a reduzir o congestionamento, por isso, oferece água morna, sumos naturais de fruta/legumes, caldos e cremes de vegetais em intervalos regulares.

Leite Materno: O leite materno é importante para as crianças, especialmente quando estão doentes porque fornece um equilíbrio único de nutrientes que ajudam a combater infecções e a recuperar rapidamente.

Limão: O limão possui propriedades antibacterianas e anti-inflamatórios que ajudam a reduzir sintomas como dor de garganta, corrimento nasal e tosse, auxiliando o organismo na luta contra as gripes e as constipações.

Podes colocar o sumo e as cascas de 4 limões com 1 colher de sopa de gengibre ralado numa panela. Cobre com água a ferver todos os ingredientes e deixa em decocção durante 10 minutos. Coa o líquido e dilui numa quantidade igual de água morna acrescentando mel (de um produtor local e opcional) ou xarope de ácer a gosto (mas sem exageros – opcional).

Dá ao teu filho a beber algumas vezes por dia. Nota: Para os bebés com menos de 1 ano, troca o mel por extracto ou folhas de Stevia para adoçar e facilitar a toma.

Caldo de legumes: O caldo de legumes quente é uma óptima opção quando estão constipadas ou com tosse.

O caldo de legumes é leve, nutritivo e ajuda a aliviar o congestionamento nasal. Os antioxidantes presentes acelerem o processo de recuperação.
Escolhe legumes biológicos que sejam doces, como a cenoura, a beterraba e a batata-doce, deixa cozer durante mais ou menos 40 minutos em lume brando, coa e serve ao teu filho 2 a 3 vezes por dia.

Laranjas: A vitamina C presente nas laranjas e noutros citrinos ajuda a aumentar a produção de glóbulos brancos que combatem os agentes patogénicos, agilizando os sintomas, como a tosse, a dor de garganta e o corrimento nasal.

Para crianças a partir dos 2 anos podes oferecer 1 a 2 copos de sumo de laranja (com a polpa da fruta) com cenoura diariamente e também laranjas aos pedaços para irem chupando. Para as crianças com menos de 2 anos deves diluir o sumo de laranja numa quantidade igual de água morna e dar a beber em intervalos regulares.

Mel: O mel tem propriedades antibacterianas, antioxidantes e imuno-estimulantes que ajudam a agilizar a tosse, a aliviar a dor de garganta e a matar as bactérias que causam a infecção.

Caso queiras optar por usá-lo, podes misturar 1 colher de chá de mel biológico (e de produção local) com 1 colher de chá de sumo de limão num copo de água morna e oferecer ao teu filho a cada poucas horas para alívio da tosse seca e redução da dor no peito. Nota: Nunca dês mel a um bebé com menos de 1 ano, pois contém bactérias que podem causar o botulismo infantil.

Gengibre: O Gengibre contém inúmeras propriedades medicinais destacando-se o seu efeito anti-inflamatório, antibacteriano, imuno-estimulante, antiviral e antitússico.

Ao mesmo tempo é sudorífico, ou seja, induz a transpiração que por sua vez alivia a febre ligeira.

Coloca 6 chávenas de água com ½ chávena de gengibre sem a casca em fatias finas e 1 pau de canela numa panela. Deixa cozinhar em lume brando durante 20 minutos e depois coa.

Adiciona mel, xarope de ácer ou umas gotas de Stevia e oferece ao teu filho, em pequenas colheres, algumas vezes ao dia.

Para os bebés menores de 1 ano, deve-se diluir o líquido em água morna antes de oferecer e não se adiciona mel.

Dicas Adicionais

• Abre uma pequena fresta da janela do quarto do teu filho para fazer circular o ar e reduzir a dificuldade respiratória.

• Faz vapores com soro fisiológico para manter as vias aéreas lubrificadas.

• Eleva a cabeceira da cama com um travesseiro extra à noite para que o muco possa drenar.

Clica na Imagem para descarregares o ebook gratuito
“Filho doente não quer comer

Referências

– Leyer GJ, Li S, Mubasher ME, Reifer C, Ouwehand AC. Probiotic effects on cold and influenza-like symptom incidence and duration in children. Pediatrics. 2009 ;124 (2) : e172- e179.
– Pratter MR. Cough and the common cold: ACCP evidence-based clinical practice guidelines. Chest. 2006;129(1 suppl):72S-74S.
– Slapak I, Skoupá J, Strnad P, Horník P. Efficacy of isotonic nasal wash (seawater) in the treatment and prevention of rhinitis in children. Arch Otolaryngol Head Neck Surg. 2008 ;134 (1) : 67-74.
– Nield LS, Kamat D. Fever. In: Kliegman RM, Stanton BF, St. Geme JW, Schor NF, Behrman RF. eds. Nelson Textbook of Pediatrics. 19th ed.
Philadelphia, PA: Saunders Elsevier; 2011:e169-1-169-3.
– Sarrell EM, Wielunsky E, Cohen HA. Antipyretic treatment in young children with fever: acetaminophen, ibuprofen or both alternating in a
randomized, double-blind study. Ach Pediatr Adolesc Med. 2006; 160(2):197-202.
– Nield LS, Kamat D. Fever. In: Kliegman RM, Stanton BF, St. Geme JW, Schor NF, Behrman RF. eds. Nelson Textbook of Pediatrics. 19th ed. Philadelphia, PA: Saunders Elsevier; 2011:e169-1-169-3.
– Jhaveri R, Byington CL, Klein JO, Shapiro ED. Management of the non-toxic appearing acutely febrile child: A 21st century approach. J Peds. 2011;
159(2): 181-185.
– Kramer MS, Naimark L, Leduc DG. Parental fever phobia and its correlates. Pediatrics. 1985;75(6):1110–1113.
– Baraff LJ. Management of infants and young children with fever without source in infants and children. Pediatr Ann. 2008;37(10): 673-679.
– Nield LS, Kamat D. Fever. In: Kliegman RM, Stanton BF, St. Geme JW, Schor NF, Behrman RF. eds. Nelson Textbook of Pediatrics. 19th ed.
Philadelphia, PA: Saunders Elsevier; 2011:e169-1-169-3.
– Jhaveri R, Byington CL, Klein JO, Shapiro ED. Management of the non-toxic appearing acutely febrile child: A 21st century approach. J
Peds. 2011;159(2)181-185.
– Kramer MS, Naimark L, Leduc DG. Parental fever phobia and its correlates. Pediatrics. 1985;75(6):1110–1113.
– Nield LS, Kamat D. Fever. In: Kliegman RM, Stanton BF, St. Geme JW, Schor NF, Behrman RF. eds. Nelson Textbook of Pediatrics. 19th ed.
Philadelphia, PA: Saunders Elsevier; 2011:e169-1-169-3.
– Clinical policy for children younger than three years presenting to the emergency department with fever. Ann Emerg Med. 2003;42(4):530-545.
– Torrey SB, Henretig F, Fleisher G, et al. Temperature response to antipyretic therapy in children: relationship to occult bacteremia. Am J
Emerg Med. 1985;3(3):190-192.
– Weisse ME, Miller G, Brien JH. Fever response to acetaminophen in viral vs. bacterial infections. Pediatr Infect Dis J. 1987;6(12):1091-1094.
– Baker MD, Fosarelli PD, Carpenter RO. Childhood fever: correlation of diagnosis with temperature response to acetaminophen. Pediatrics.
1987;80(3):315-318.
– Mazur LJ, Jones TM, Kozinetz CA. Temperature response to acetaminophen and risk of occult bacteremia: a case-control study. J Pediatr. 1989;115(6):888-891.
– Baker RC, Tiller T, Bausher JC, et al. Severity of disease correlated with fever reduction in febrile infants. Pediatrics.
1989;83(6):1016-1019.
– Yamamoto LT, Wigder HN, Fligner DJ, et al. Relationship of bacteremia to antipyretic therapy in febrile
children. Pediatr Emerg Care. 1987;3(4):223-227.
– Clinical policy for children younger than three years presenting to the emergency department with fever. Ann Emerg Med. 2003;42(4):530-545
– Jhaveri R, Byington CL, Klein JO, Shapiro ED. Management of the non-toxic appearing acutely febrile child: A 21st century approach. J
Peds. 2011;159(2)181-185.
– Clinical policy for children younger than three years presenting to the emergency department with fever. Ann Emerg Med. 2003;42(4):530-545
– Baraff LJ. Management of infants and young children with fever without source in infants and children. Pediatr Ann. 2008;37(10): 673-679.
– Baraff LJ. Editorial: Clinical policy for children younger than three years presenting to the emergency department with fever. Ann Emerg Med.
2003; 42(4):546-549.
– Nield LS., Kamat D. Fever without a Focus. In: Kliegman RM, Stanton BF, St. Geme JW, Schor NF, Behrman RF. eds. Nelson Textbook of Pediatrics. 19th ed. Philadelphia, PA: Saunders Elsevier; 2011:896-902.
– Jhaveri R, Byington CL, Klein JO, Shapiro ED. Management of the non-toxic appearing acutely febrile child: A 21st century approach. J
Peds. 2011;159(2)181-185.
– Baraff LJ. Editorial: Clinical policy for children younger than three years presenting to the emergency department with fever. Ann Emerg Med.
2003; 42(4):546-549.
– Nield LS, Kamat D. Fever. In: Kliegman RM, Stanton BF, St. Geme JW, Schor NF, Behrman RF. eds. Nelson Textbook of Pediatrics. 19th ed. Philadelphia, PA: Saunders Elsevier; 2011:e169-1-169-3.
– Hay AD, Redmond NM, Costelloe C, Montgomery AA, Fletcher M, Hollinghurst S, Peters TJ. Paracetamol and ibuprofen for the treatment of fever in children: the PITCH randomised controlled trial. Health Technol Assess. 2009;13(27) iii-iv, ix-x, 1-163.
– Miller RJ, Bailey J, Sullivan K. Clinical Inquiries: Does lowering a fever > 101 F in children improve clinical outcomes? J Fam Pract. 2010;59(6)353, 360.
– American Academy of Pediatrics, Steering Committee on Quality Improvement and Management, Subcommittee on Febrile Seizures. Febrile seizures: clinical practice guidelines for the long-term management of the child with simple febrile seizures. Pediatrics. 2008;121(6):1281–1286.
– Mayoral CE, Marino RV, Rosenfield W, Greensher J. Alternating antipyretics: Is this an alternative? Pediatrics. 2005;105(5):1009-1012.
– Meremikwu M, Oyo-Ita A. Physical methods for treating fever in children. Cochrane Database Syst Rev. 2003;(2):CD004264.
– Wang D, Bukutu C, Thompson A, Vohra S. Complementary, Holistic, and Integrative Medicine: Fever. Pediatr. Rev. 2009;30(3);75-78.
– Santich R, Bone K. Common childhood infections and fever management. In: Phytotherapy Essentials: Healthy Children Optimising Children’s
Health with Herbs. Warwick, Australia: Phytotherapy Press; 2008.
– Zand J, Rountree R, Walton R. Fever. In: Smart Medicine for a Healthier Child. 2nd ed. New York, NY: Avery; 2003.
– Kubo T, Nishimura H. Antipyretic effect of Mao-to, a Japanese herbal medicine, for treatment of type A influenza infection in children.
Phytomedicine. 2007;14(2-3):96–101.
– Nield LS, Kamat D. Fever. In: Kliegman RM, Stanton BF, St. Geme JW, Schor NF, Behrman RF. eds. Nelson Textbook of Pediatrics. 19th ed. Philadelphia, PA: Saunders Elsevier; 2011:e169-1-169-3.
– Sullivan JE, Farrar HC. Fever and antipyretic use in children. Pediatrics. 2011;127(3):580-587.
– Kramer MS, Naimark L, Leduc DG. Parental fever phobia and its correlates. Pediatrics. 1985;75(6):1110–1113.
– Sullivan JE, Farrar HC. Fever and antipyretic use in children. Pediatrics. 2011;127(3):580-587.
– Kramer MS, Etezadi-Amoli J, Ciampi A, Tange SM, Drummond KN, Mills EL, et al. Parents’ versus physicians values for clinical outcomes in
young febrile children. Pediatrics. 1994;93(5):697-702.
– Crocetti M, Moghbeli N, Serwint J, et al: Fever phobia revisited: have parental misconceptions about fever changed in 20 years?. Pediatrics
2001; 107(6):1241-1246.
– Avner JR. Acute fever. Pediatr. Rev. 2009;30(1):5-13.
– Mayo Foundation for Medical Education and Research. Mayo Clinic. Website. http://www.mayoclinic.com/health/febrile-seizure/DS00346.
– Miller RJ, Bailey J, Sullivan K. Clinical Inquiries: Does lowering a fever > 101 F in children improve clinical outcomes? J Fam Pract. 2010;59(6)353, 360.
– Avner JR. Acute fever. Pediatr. Rev. 2009;30(1):5-13.
– Crook J. Fever management: evaluating the use of ibuprofen and paracetamol. Paediatr Nurs. 2010;22(3):22-26.
– Hay AD, Redmond NM, Costelloe C, Montgomery AA, Fletcher M, Hollinghurst S, Peters TJ. Paracetamol and ibuprofen for the treatment
of fever in children: the PITCH randomised controlled trial. Health Technol Assess. 2009;13(27) iii-iv, ix-x, 1-163.
– Sarrell EM, Wielunsky E, Cohen HA. Antipyretic treatment in young children with fever: acetaminophen, ibuprofen or both alternating in a
randomized, double-blind study. Ach Pediatr Adolesc Med. 2006;160(2):197-202.
– Doran TF, De Angelis C, Baumgardner RA, Mellits ED. Acetaminophen: more harm than good for chickenpox? J Pediatr. 1989;114(6):1045-8.
– Sullivan JE, Farrar HC. Fever and antipyretic use in children. Pediatrics. 2011;127(3):580-587.
– University of Warwick. (2018, May 21). Hotter bodies fight infections and tumors better — researchers show how: The hotter our body temperature, the more our bodies speed up a key defense system that fights against tumors, wounds or infections. ScienceDaily. www.sciencedaily.com/releases/2018/05/180521095606.htm

Share on facebook
Facebook
Share on linkedin
LinkedIn
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp
Subscrever
Notificar de
guest

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
  • Sobre

    Sou a Vera, naturopata especializada na saúde da mulher e da criança e autora do livro Nascer e Crescer Vegetariano.

    Segue nas Redes Sociais
    Categorias
    Livros e Materiais
    Cursos e Masterclasses Online

    Todas as informações fornecidas por este website destinam-se única e exclusivamente para finalidades informativas ou educacionais, não tendo a intenção de substituir as orientações fornecidas pelo profissional de saúde ou médico, nem para serem utilizadas para diagnóstico ou tratamento clinico.

    Tens a minha autorização para utilizar os conteúdos da página da forma que quiseres.

    Conhecimento e sabedoria são recursos inesgotáveis que crescem ao serem partilhados. Todos beneficiamos com isso! No entanto, não nos responsabilizamos por nenhuma consequência direta ou indiretamente tomada com base nas informações desde website.

    Se quiseres explorar mais conhecimentos e informações em fontes credíveis e reconhecidas, clica aqui para ver a lista de recursos que recomendo.