Enxaquecas recorrentes e debilitantes

Share on facebook
Facebook
Share on linkedin
LinkedIn
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp

 

Quem sofre de enxaquecas recorrentes, sabe perfeitamente o quanto debilitante estas podem ser, certo?

 

E não estamos a falar de uma simples dor de cabeça, estamos a falar de uma dor intensa que chega a impedir a realização das mais simples tarefas quotidianas, pois quando uma enxaqueca ataca, muitas mulheres vêm-se obrigadas a arrastarem-se para a cama e a ficar lá, num quarto escuro e sossegado só para conseguirem aguentar a dor.

 

Algumas das minhas pacientes procuram-me com enxaquecas tão graves que ficam deprimidas porque encontram-se num estado constante de ansiedade, preocupadas sobre quando surgirá a próxima crise e com isso, vêm-se obrigadas a reorganizar constantemente suas vidas o que se pode tornar num verdadeiro desafio.

 

 

A enxaqueca é um tipo de cefaleia primária, ou seja, corresponde a uma dor de cabeça que não traduz outros problemas de saúde, mas que causa muitos incómodos porque ocorre em episódios de dor muito intensa intervalados por períodos sem sintomas, sendo 2 a 3 vezes mais frequente no sexo feminino.

Há algumas características da enxaqueca associadas ao ciclo reprodutivo feminino, como por exemplo, a sua maior prevalência depois da primeira menstruação, ou durante o período menstrual. Além disso, os sintomas podem agravar-se devido ao uso da pílula ou da terapêutica hormonal.

 

∴ Neste artigo, vou orientar-te no que respeita à prevenção da enxaqueca ∴

 

O segredo para a prevenção da enxaqueca está na identificação e remoção dos seus agentes desencadeadores, na prevenção da inflamação subjacente e na reposição de nutrientes que podem se encontrar em falta. Vamos lá?

 

1º: IDENTIFICA OS FATORES DESENCADEADORES DA ENXAQUECA

Geralmente existem os chamados “gatilhos padrão” que se encontram por trás dos episódios de enxaquecas.

Entre os mais comuns encontramos a cafeína, o vinho tinto, o queijo, o açúcar, os nitritos, os aditivos alimentares, a hipoglicémia, o stress, a tensão no pescoço, as alterações hormonais e os medicamentos.

Uma forma simples de identificares quais os gatilhos que te afetam é manteres um diário da enxaqueca, assim, quando surgir uma crise podes observar o que comeste ou bebeste nas últimas 12 horas, registando ainda quais as actividades que estavas a realizar quando começaste a ter a primeira sensação de desconforto.

Tenta identificar as tendências quando tiveres dores de cabeça.

Deixo-te AQUI um pdf com um exemplo de diário da enxaqueca que podes descarregar e imprimir para que o tenhas sempre à mão.

Eu dou este pdf às minhas pacientes que sofrem de enxaquecas recorrentes de forma a que possamos aperfeiçoar o protocolo terapêutico a cada sessão, por isso, garanto-te que se o usares vais começar a perceber o que podes fazer para, no mínimo, aumentar o intervalo entre as crises.

 

2º: REDUZ A MEDICAÇÃO PARA O ALIVIO DA DOR

Existe um fenómeno chamado cefaleia por uso excessivo de medicamentos, ou seja, quando tomas analgésicos como a aspirina e o ibuprofeno com frequência para as dores de cabeça, esse acto pode fazer com que sejam os próprios medicamentos a causar as dores ou a piorar a frequência das crises, criando um ciclo vicioso, por isso, tenta evitar o seu uso recorrendo, por exemplo, à hidroterapia

 

3º: PÕE OS INTESTINOS A TRABALHAR

A minha experiência clínica, diz-me que a obstipação e as enxaquecas andam de mãos dadas, porque quando não evacuamos estamos a acumular o excesso de estrogénio, que pode estar a contribuir para a enxaqueca.

Aposta em fibras, no citrato de magnésio, nas sementes de linhaça e em plantas amargas para resolveres a situação.

 

4º: APOIA-TE EM PLANTAS E SUPLEMENTOS PARA PREVENIR AS ENXAQUECAS.

Existem algumas plantas e alguns suplementos como a riboflavina e o tanaceto que estão associados à prevenção das enxaquecas recorrentes.

Informa-te sobre as opções que existem e verifica se fazem sentido para ti.

 

5º: SEGUE UMA DIETA ANTI-INFLAMATÓRIA

Reduz os alimentos pró-inflamatórios na dieta, principalmente o açúcar, a carne e os alimentos processados, ao mesmo tempo que adicionas fruta e vegetais. Podes ler mais sobre o assunto AQUI e AQUI.

Estas dicas de prevenção têm dado excelentes resultados às minhas pacientes e por isso acredito que também trará benefícios para ti, apenas te recordo que há alterações de rotina que podem levar mais tempo a apresentar resultados visíveis, por isso sê paciente contigo e com o teu corpo, sim?

 

Se este artigo foi útil para ti ou se tiveres sugestões, diz-me, vou gostar muito de saber!!

 

Um beijinho ❤️

Share on facebook
Facebook
Share on linkedin
LinkedIn
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp
Subscrever
Notificar de
guest

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
  • Sobre

    Sou a Vera, naturopata especializada na saúde da mulher e da criança e autora do livro Nascer e Crescer Vegetariano.

    Segue nas Redes Sociais
    Categorias
    Livros e Materiais
    Cursos e Masterclasses Online

    Todas as informações fornecidas por este website destinam-se única e exclusivamente para finalidades informativas ou educacionais, não tendo a intenção de substituir as orientações fornecidas pelo profissional de saúde ou médico, nem para serem utilizadas para diagnóstico ou tratamento clinico.

    Tens a minha autorização para utilizar os conteúdos da página da forma que quiseres.

    Conhecimento e sabedoria são recursos inesgotáveis que crescem ao serem partilhados. Todos beneficiamos com isso! No entanto, não nos responsabilizamos por nenhuma consequência direta ou indiretamente tomada com base nas informações desde website.

    Se quiseres explorar mais conhecimentos e informações em fontes credíveis e reconhecidas, clica aqui para ver a lista de recursos que recomendo.