O que deves saber sobre a pílula?

O que deves saber sobre a pílula?

Share on facebook
Facebook
Share on linkedin
LinkedIn
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp
Conhecemo-la desde 1960, altura em que a pílula se tornou um marco no controlo da fertilidade feminina.

Este contraceptivo hormonal atua através de um mecanismo de feedback negativo, ou seja, através das hormonas sintéticas que possui, suprime a libertação de gonadotropinas, que são responsáveis pela estimulação da produção das hormonas sexuais nos ovários, o que faz com que não ocorra a ovulação.

Assim, normalmente encontramos na pílula combinada o estrogénio sintético, sendo o mais comum o etinilestradiol1 e a progesterona sintética, o progestageno2. É importante salientar que ambas atuam como disruptores endócrinos

É interrompida a comunicação entre a hipófise e os ovários.
Além disso, o que deves saber sobre a pílula?

Teoricamente, o objetivo dos anticoncepcionais é impedir a função hormonal reprodutiva das mulheres para prevenir uma gravidez. 

Mas o que deves saber é que as hormonas reprodutivas femininas estão relacionadas a inúmeras outras funções importantes no corpo da mulher, desde o metabolismo ao sistema imunitário, passando pelo humor e pelo desempenho cognitivo. 

É importante percebermos que a reprodução não é uma função à parte no nosso corpo, antes pelo contrário, a reprodução é uma das principais funções do corpo, por isso, quando interferirmos nela, interferimos com o funcionamento do organismo em geral.

Não é por acaso que o Colégio Americano de Obstetras e Ginecologistas, emitiram, juntamente com a Academia Americana de Pediatria um comunicado a afirmar que o ciclo menstrual deve ser encarado como um sinal vital.

O estrogénio em particular tem um papel de destaque. Ele é responsável por manter estável o ritmo circadiano3 e o equilíbrio metabólico do corpo. 

Logo, quando não produzimos quantidades adequadas de estrogénio natural, existe um aumento na probabilidade de sofrermos danos cardiometabólicos4

Além disso, os contraceptivos hormonais podem aumentar o risco de desenvolvermos depressão6 e problemas a nível do pavimento pélvico7, incluindo dor durante o ato sexual8 e diminuição da líbido9.

Repara que no que respeita à depressão, o progestagénio tem uma acção directa nos níveis de neurotransmissores, como o GABA e a serotonina.

Exemplo disso, foi um estudo que decorreu na Dinamarca, onde os investigadores seguiram cerca de 1 milhão de mulheres durante um longo período de tempo.

Durante esse período, os investigadores registaram 23.000 novos casos de depressão, com um risco de depressão 23% superior nas mulheres a tomar contraceptivos hormonais.

Se considerarmos que a incidência da depressão em Portugal é bastante elevada, este possível aumento associado à pílula é algo que devemos levar em consideração na altura de optar por um método contraceptivo.

Com isto em mente, o principal problema é o facto da maioria das mulheres usar a pílula para fins não contraceptivos, não chegando a perceber qual a causa que deu origem aos sintomas que apresentava antes de iniciar este método hormonal.

Isto porque o uso da pílula é visto quase como um ritual de passagem para a mulher que se torna fértil.

É claro que é importante que as mulheres tenham algum tipo de controlo sobre a sua fertilidade, mas precisamos te ter a perceção sobre os riscos e os efeitos secundários associados à toma da pílula.

No entanto, a decisão deve ser sempre exclusivamente tua e com conhecimento sobre toda a informação (a boa e a menos boa) que acompanha a toma dos contraceptivos hormonais.

Ver também o eBook “Corpo no pós-pílula”

Referências

1. Bhandari, R., vom Saal, F. & Tillitt, D. Transgenerational effects from early developmental exposures to bisphenol A or 17α-ethinylestradiol in medaka, Oryzias latipes. Sci Rep 5, 9303 (2015). https://doi.org/10.1038/srep09303

2. Fent K. Progestins as endocrine disrupters in aquatic ecosystems: Concentrations, effects and risk assessment. Environ Int. 2015 Nov;84:115-30. doi: 10.1016/j.envint.2015.06.012. Epub 2015 Aug 11. PMID: 26276056.

3. https://eje.bioscientifica.com/downloadpdf/journals/eje/148/2/227.pdf

4. Sacco S, Ricci S, Degan D, Carolei A. Migraine in women: the role of hormones and their impact on vascular diseases. J Headache Pain. 2012 Apr;13(3):177-89. doi: 10.1007/s10194-012-0424-y. Epub 2012 Feb 26. PMID: 22367631; PMCID: PMC3311830.

5. https://www.telegraph.co.uk/news/health/news/11473286/Women-on-the-Pill-face-increased-risk-of-Crohns-disease.html

6. Skovlund CW, Mørch LS, Kessing LV, Lidegaard Ø. Association of Hormonal Contraception With Depression. JAMA Psychiatry. 2016;73(11):1154–1162. doi:10.1001/jamapsychiatry.2016.2387

7. Champaneria R, D’Andrea RM, Latthe PM. Hormonal contraception and pelvic floor function: a systematic review. Int Urogynecol J. 2016 May;27(5):709-22. doi: 10.1007/s00192-015-2833-3. Epub 2015 Sep 25. PMID: 26407563.

8. Battaglia C, Battaglia B, Mancini F, Busacchi P, Paganotto MC, Morotti E, Venturoli S. Sexual behavior and oral contraception: a pilot study. J Sex Med. 2012 Feb;9(2):550-7. doi: 10.1111/j.1743-6109.2011.02597.x. Epub 2011 Dec 21. PMID: 22188640.

9. DeCherney AH. Hormone receptors and sexuality in the human female. J Womens Health Gend Based Med. 2000;9 Suppl 1:S9-13. doi: 10.1089/152460900318803. PMID: 10695868.

Share on facebook
Facebook
Share on linkedin
LinkedIn
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp
Subscrever
Notificar de
guest

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
  • Sobre

    Sou a Vera, naturopata especializada na saúde da mulher e da criança e autora do livro Nascer e Crescer Vegetariano.

    Segue nas Redes Sociais
    Categorias
    Livros e Materiais
    Cursos e Masterclasses Online

    Todas as informações fornecidas por este website destinam-se única e exclusivamente para finalidades informativas ou educacionais, não tendo a intenção de substituir as orientações fornecidas pelo profissional de saúde ou médico, nem para serem utilizadas para diagnóstico ou tratamento clinico.

    Tens a minha autorização para utilizar os conteúdos da página da forma que quiseres.

    Conhecimento e sabedoria são recursos inesgotáveis que crescem ao serem partilhados. Todos beneficiamos com isso! No entanto, não nos responsabilizamos por nenhuma consequência direta ou indiretamente tomada com base nas informações desde website.

    Se quiseres explorar mais conhecimentos e informações em fontes credíveis e reconhecidas, clica aqui para ver a lista de recursos que recomendo.