O que se passa com o Açúcar?

Share on facebook
Facebook
Share on linkedin
LinkedIn
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp

Por vezes, quando vou passear com o meu pequeno gosto de observar com atenção tudo o que se passa à minha volta.

Vejo famílias carinhosas e brincalhonas…famílias stressadas e frustradas…mas o que vejo mais são crianças pequenas a comer chupas, gelados, rebuçados, bolachas, chocolates, bolos…como quem come fruta!

 

Confesso que me incomoda ver crianças tão pequenas a consumir tanto açúcar, tantos alimentos processados…tantos alimentos embalados com ingredientes de nomes estranhos!!

 

Então lembrei-me de partilhar contigo um tópico escrito pelo Gabriel Mateus do Projecto Safira onde ele explica muito bem a forma como absorvemos o açúcar.

Achei tão interessante que resolvi partilhar aqui, na expectativa que te seja tão útil como foi/é para mim:

 

“A carga glicémica é muito importante para determinar o real impacto de um alimento de acordo com uma porção normalmente consumida.

Os índices glicémicos são calculados utilizando-se 50 gr dos hidratos de carbono de um alimento (quando se trata de açúcares ou geleias, essa quantidade corresponde a 50 gr do produto, uma vez que este é composto unicamente de hidratos de carbono).

A carga glicémica mede o impacto que uma porção de um determinado alimento tem sobre os níveis de açúcar no sangue, o que nem sempre corresponde aos 50 gr de hidratos de carbono. Nem sempre um índice glicémico corresponde a uma carga glicémica alta.

Por exemplo: a melancia tem um índice glicémico alto, mas para se atingirem os 50 gr de hidratos de carbono teríamos de comer muitas melancias, pelo que tem uma carga glicémica baixa, ou seja, comer melancia em doses normais não tem um impacto significativo sobre os níveis de açúcar no sangue.

Quando estamos a avaliar um açúcar (de qualquer tipo), o índice glicémico corresponde sempre à carga glicémica (isto é, se tiver um índice glicémico alto, tem também uma carga glicémica alta).

A estrutura total de um alimento altera a forma como digerimos e absorvemos esses açúcares, o que explica porque certos alimentos podem ser ricos em açúcares naturais e ainda assim terem benefícios para a saúde, inclusive em diabéticos.”

 

Share on facebook
Facebook
Share on linkedin
LinkedIn
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp
Subscrever
Notificar de
guest

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
  • Sobre

    Sou a Vera, naturopata especializada na saúde da mulher e da criança e autora do livro Nascer e Crescer Vegetariano.

    Segue nas Redes Sociais
    Categorias
    Livros e Materiais
    Cursos e Masterclasses Online

    Todas as informações fornecidas por este website destinam-se única e exclusivamente para finalidades informativas ou educacionais, não tendo a intenção de substituir as orientações fornecidas pelo profissional de saúde ou médico, nem para serem utilizadas para diagnóstico ou tratamento clinico.

    Tens a minha autorização para utilizar os conteúdos da página da forma que quiseres.

    Conhecimento e sabedoria são recursos inesgotáveis que crescem ao serem partilhados. Todos beneficiamos com isso! No entanto, não nos responsabilizamos por nenhuma consequência direta ou indiretamente tomada com base nas informações desde website.

    Se quiseres explorar mais conhecimentos e informações em fontes credíveis e reconhecidas, clica aqui para ver a lista de recursos que recomendo.