Será deficiência do Selénio?

 

O selénio é um mineral essencial com um valioso papel antioxidante, uma vez que tem a capacidade de reduzir os danos dos radicais livres e da inflamação, provavelmente devido aos diferentes tipos de selenoproteínas que possui.

 

Isso significa que o selénio beneficia o corpo, ajudando a combater vírus, prevenir as doenças cardiovasculares e a retardar os sintomas relacionados a doenças como a asma.

 

 

Mulheres com certas condições de saúde, como doença celíaca, doença de Crohn, distúrbios da tiróide e outros quadros clínicos que prejudicam a absorção de nutrientes, normalmente apresentam baixos níveis de selénio que podem levar à carência deste mineral e como veremos já de seguida, o selénio é bastante importante para o nosso bem-estar pelo que é necessário garantirmos a sua ingestão diária, seja na forma de alimentos ou de suplementos.

 

1. Atua como um antioxidante contra o stress oxidativo

O selénio é um componente essencial da glutationa peroxidase, que é uma importante enzima nos processos que protegem os lipídios (gorduras) nas membranas celulares, sendo necessário para combater a degradação oxidativa das células e proteger contra mutações ou danos no ADN que podem causar doenças.

Por isso, os benefícios do selénio incluem a capacidade de combater o processo de envelhecimento celular e ajudar no reforço do sistema imunitário.

Como a sinergia entre nutrientes é importante, torna-se essencial perceber que o selénio tem um efeito sinérgico com outros antioxidantes como por exemplo a vitamina E. Este efeito sinérgico permite um combate mais eficaz ao stress oxidativo, bem como contra várias formas de cancro, como da próstata e do cólon.

 

2. Aumenta a imunidade

De acordo com algumas investigações, o selénio é necessário para o bom funcionamento do sistema imunitário e também pode ser um nutriente essencial para combater o desenvolvimento de vírus.

 

3. Melhora o fluxo sanguíneo

Baixas concentrações de selénio estão associadas a um aumento no risco de doença cardiovascular.

Suplementos de selénio ou um aumento de alimentos ricos em selénio podem ajudar a prevenir doenças cardíacas, pela sua capacidade de combater a inflamação, aumentar o fluxo sanguíneo e reduzir o stress oxidativo dos radicais livres.

 

4. Regula a função da tireóide

A pesquisa mostra, que existe uma relação entre o metabolismo da tiróide e a deficiência de selénio, uma vez que este mineral atua como catalisador na produção de hormonas ativas da tireóide.

Como a glândula da tiróide controla inúmeras funções corporais importantes, incluindo o apetite, o sono, a temperatura, o peso e a energia, um problema com na função tireoidiana pode resultar em sintomas como irritabilidade, fraqueza muscular, fadiga, aumento ou perda de peso, dificuldade em adormecer, entre outras reações que influenciam negativamente o bem-estar.

 

5. Ajuda a reduzir os sintomas da asma

Estudos observacionais demonstraram que os pacientes com asma crónica podem ter níveis mais baixos de selénio.

De acordo com estudos, quando pessoas com asma tomavam suplementos de selénio, apresentavam menos sintomas relacionados à asma do que aqueles que tomavam placebo.

Assim, a suplementação ou o aumento do consumo de alimentos ricos em selénio pode ser um tratamento adicional útil para pacientes com asma crónica.

 

6. Promove a fertilidade

O selénio é necessário para a motilidade do esperma, aumentando igualmente o fluxo sanguíneo, dois componentes-chave envolvidos na concepção e na fertilidade.

Este mineral é incorporado na cápsula da mitocôndria do espermatozóide e pode afetar o comportamento e a função do deste à medida que ele se move pelo canal vaginal.

No entanto, esta é uma relação frágil uma vez que tanto a baixa como a elevada concentração no esperma tem uma influência negativa no número de espermatozóides, portanto, o equilíbrio no seu consumo é crucial.

 

Carências de selénio

 

O selénio pode ser encontrado tanto nos solos como nos alimentos e em diversas formas. Assim, é importante perceber que existem quatro tipos naturais de selénio.

Selenocisteína (origem animal)
Selenometionina (origem vegetal)
Selenito
Selenato

 

O selenato e o selenito, são formas de selénio inorgânico, encontradas predominantemente na água, nas rochas e como tal tem uma baixa taxa de absorção pelo corpo.

A selenocisteína e a selenometionina são formas orgânicas, o que significa que têm uma boa capacidade de absorção, especialmente a selenometionina encontrada em alguns alimentos de origem vegetal como os cogumelos e as nozes do pará.

 

A carência de selénio nas populações dá-se essencialmente porque o teor de selénio nos solos difere muito de local para local.

Por exemplo, alguns estudos mostram que certas partes da Europa e da África os solos apresentam baixos níveis de selénio, o que leva a população destas áreas a apresentar carências neste mineral.

 

Em Portugal, a ingestão diária média de selénio ronda as 43mcg nos homens e as 32 mcg nas mulheres, num universo em que a dose diária recomendada se situa nas 55 microgramas.

(ventura, et al J Radioanal Nucl Chem (2009)).

 

A preocupação dá-se porque a deficiência de selénio está relacionada com uma baixa função imunitária, um acentuado declínio cognitivo e um quadro clínico disfuncional a nível da saúde da tiróide. Geralmente esta deficiência ocorre quando uma ou mais selenoproteínas específicas estão ausentes.

 

O cenário é semelhante no que respeita às fontes alimentares…

Como a quantidade do nutriente dependente das condições do solo nas quais o alimento cresceu, os níveis de selénio variam de plantação para plantação, logo torna-se desafiante estabelecer uma boa fonte alimentar deste mineral quando os valores são bastante dispares entre os mesmos alimentos.

Ainda assim, existem alimentos que oferecem boas quantidades deste mineral, mesmo que em doses variáveis, como é o caso das nozes do brasil, dos cogumelos e das pevides de abóbora.

Como alternativa, pode-se tomar suplementos de selénio, mas atenção que nem todos apresentam uma boa biodisponibilidade nem tão pouco uma boa qualidade.

Nas consultas online ou presenciais de naturopatia, geralmente, quando é um quadro clínico que poderá beneficiar da toma deste mineral, recomendo o BioActivo selénio devido à sua elevada taxa de biodisponibilidade, o que me garante que as minhas pacientes vão obter o máximo beneficio com poucas tomas. Mas claro que é sempre recomendável o acompanhamento de um profissional de saúde para garantir que é o melhor para ti..ou não.

 

DDR de selénio

Crianças 1-3 20 microgramas / dia
Crianças 4-8 30 microgramas / dia
Crianças de 9 a 13 40 microgramas / dia
Adultos e crianças até 14 anos 55 microgramas / dia
Mulheres grávidas 60 microgramas / dia
Aleitamento materno 70 microgramas / dia

 

Precauções e Efeitos secundários

Tomado em doses normais, o selénio não costuma ter efeitos colaterais negativos, embora seja contra-indicado na insuficiência renal.

Uma toma exagerada deste mineral pode causar reações como mau hálito, febre, náusea e complicações potencialmente hepáticas, embora ocorra apenas em níveis muito elevados, que atingem o status de “envenenamento“.

 

Um beijinho

 

 

 

 

>>> Nutrition. 2011 Nov-Dec;27(11-12):1095-100. doi: 10.1016/j.nut.2011.03.002. Selenium, iodine, and the relation with Kashin-Beck disease. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21967994
>>> Lancet. 2012 Mar 31;379(9822):1256-68. doi: 10.1016/S0140-6736(11)61452-9. Epub 2012 Feb 29.
Selenium and human health. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22381456
>>> J Toxicol Clin Toxicol. 1999;37(2):145-72. Selenium. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/10382553
>>> Acta Vet Scand. 1996;37(1):19-30. Selenium and fertility in animals and man–a review.
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/8659343
>>> Cochrane Database Syst Rev. 2004;(2):CD003538. Selenium supplementation for asthma.
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/15106206
>>> Clin Endocrinol (Oxf). 2013 Feb;78(2):155-64. doi: 10.1111/cen.12066. Selenium and the thyroid gland: more good news for clinicians. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23046013
>>> Am J Clin Nutr. 2006 Oct; 84(4): 762–773. Selenium and coronary heart disease: a meta-analysis
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC1829306/
>>> Proc Nutr Soc. 2005 Nov;64(4):527-42. Selenium in cancer prevention: a review of the evidence and mechanism of action. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/16313696
>>> Lancet. 2000 Jul 15;356(9225):233-41. The importance of selenium to human health.
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/10963212

Deixa um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.