Vitamina D com ou sem vitamina K?

Share on facebook
Facebook
Share on linkedin
LinkedIn
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp
Pixabay

Nos últimos tempos muito se tem falado sobre o possível prejuízo que a ingestão de vitamina D pode ter na ausência da vitamina K, mas as alegações científicas ainda não são muito consistentes.

Como todos sabemos, as vitaminas D e K são vitaminas lipossolúveis, ou seja, solúveis em gordura e geralmente mais abundantes em alimentos gordos, sendo que a sua absorção na corrente sanguínea é reforçada quando são consumidas com gordura.

 

A vitamina D ou a “vitamina do sol” é produzida pela nossa pele quando exposta à luz solar direta.

 

Uma das principais funções da vitamina D é promover a absorção de cálcio e manter os seus níveis adequados no sangue, como consequência a sua deficiência está associada a perda de massa óssea.

Assim, a vitamina D:

  1. Melhora a absorção de cálcio dos alimentos que ingeres (Am J Clin Nutr. 2014 Mar).
  2. Retira o cálcio dos ossos para executar funções necessárias, quando não consomes cálcio suficiente (Bonekey Rep. 2014 Feb). Por isso, manter os níveis adequados de cálcio no sangue é essencial.

 

A vitamina K encontra-se em abundância nas folhas verdes, nos fermentados, assim como em alguns alimentos de origem animal, como a gema do ovo e o fígado.

 

Esta vitamina é necessária para a coagulação do sangue e promove o acúmulo de cálcio nos nossos ossos e dentes.

 

A grande diferença entre ambas é que enquanto a vitamina D garante os níveis sanguíneos adequados de cálcio no sangue, a vitamina K controla os locais onde esse cálcio é armazenado.

Assim, a vitamina K:

  1. Promove a calcificação do osso, ativando a osteocalcina, uma proteína que promove a acumulação de cálcio nos ossos e dentes (Haemostasis. 1986).
  2. Reduz a calcificação dos tecidos moles, ativando a matriz da proteína GLA, o que evita o acúmulo do cálcio nos tecidos moles, como os rins e os vasos sanguíneos (Adv Nutr. 2012 Mar, Z Kardiol. 2001).

Neste momento, poucos são os estudos humanos controlados que têm investigado os efeitos dos suplementos de vitamina K na calcificação dos vasos sanguíneos (Am J Clin Nutr. 2009, Cochrane Database Syst Rev. 2015, Nutrients. 2015).

 

A Vitamina K existe de várias formas, sendo tradicionalmente dividida em dois grupos:

 

• Vitamina K1 (filoquinona): A forma mais comum de vitamina K. Encontra-se em plantas, nomeadamente folhas verdes como a couve e o espinafre.

• Vitamina K2 (menaquinona): Forma encontrada principalmente em alimentos de origem animal e fermentados como o natto (fornece cerca de 1300mcg por cada 100g).

 

A K2 é constituída por uma grande família de compostos, incluindo a menaquinona-4 (MK-4) e a menaquinona-7 (MK-7).

 

MK-4: Encontrado em alimentos de origem animal como fígado, gordura, gema de ovo e queijo.

MK-7: Formado por fermentação bacteriana e encontrado em alimentos fermentados, como natto, miso e chucrute. Também é produzido pelas bactérias intestinais (nutrition jrnl; Haemostasis. 2000).

 

As recomendações dietéticas atuais não distinguem entre a vitamina K1 e K2. Para as pessoas com 19 anos ou mais, a ingestão recomendada é de 90 mcg para mulheres e 120 mcg para homens (ncbi.nlm.nih.gov).

 

Em relação à suplementação, apenas recomendo em casos específicos, nomeadamente em casos de osteoporose, carência de vitamina K ou se a suplementação de vitamina D for superior a 10.000ui por dia, até porque deve-se ter em atenção as interações medicamentosas que a vitamina K, sob a forma de suplemento, tem com determinados medicamentos (Medicine Baltimore, 2016).

 

Como podemos ver, ambas trabalham em sinergia para garantir um metabolismo eficaz do cálcio.

 

E agora? Podes tomar um suplemento de Vitamina D sem vitamina K?

Surgiu a preocupação de que uma elevada ingestão de vitamina D pode promover a calcificação de vasos sanguíneos e doenças cardíacas entre aqueles que possuem níveis baixos de vitamina K, preocupação esta que é parcialmente apoiada por algumas evidências.

 

Mas simplificando…

A toxicidade por vitamina D pode causar calcificação dos vasos sanguíneos, enquanto a vitamina K pode ajudar a impedir que isso aconteça.

Embora estas evidências possam parecer suficientemente favoráveis, ainda há algumas dúvidas, pois apesar de sabermos que doses extremamente elevadas de vitamina D podem levar a perigosos níveis de cálcio e calcificação dos vasos sanguíneos, ainda não é claro se doses mais baixas de vitamina D são igualmente prejudiciais a longo prazo (Nephrol Dial Transplant. 2012; J Clin Endocrinol Metab. 2014).

Não existe nenhuma evidência suficientemente forte que demonstre que quantidades moderadas de vitamina D (inferiores a 10.000ui) são prejudiciais sem que haja uma ingestão adequada de vitamina K sob a forma de suplemento, logo, sim, podemos tomar vitamina D sem a vitamina K desde que o nosso quadro clinico não corresponda a nenhuma das situações referidas no artigo.

No entanto, as pesquisas estão em curso, e em breve poderemos vir a saber mais.

 

Share on facebook
Facebook
Share on linkedin
LinkedIn
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp
Subscrever
Notificar de
guest

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

1 Comentário
mais antigo
mais recente mais votado
Inline Feedbacks
View all comments
José Maria
4 meses atrás

Quão difícil é tomar suplementos vitamínicos vivendo em uma cultura de profissionais de saúde que, sequer, fazem anamnese de entrevista, quanto mais explicar como e porque se tomar tais suplementos. Assim, recorro à internet e encontro você que, zelosa pelo que faz, responde a muitos questionamentos meus. Obrigado! Sucesso!

  • Sobre

    Sou a Vera, naturopata especializada na saúde da mulher e da criança e autora do livro Nascer e Crescer Vegetariano.

    Segue nas Redes Sociais
    Categorias
    Livros e Materiais
    Cursos e Masterclasses Online

    Todas as informações fornecidas por este website destinam-se única e exclusivamente para finalidades informativas ou educacionais, não tendo a intenção de substituir as orientações fornecidas pelo profissional de saúde ou médico, nem para serem utilizadas para diagnóstico ou tratamento clinico.

    Tens a minha autorização para utilizar os conteúdos da página da forma que quiseres.

    Conhecimento e sabedoria são recursos inesgotáveis que crescem ao serem partilhados. Todos beneficiamos com isso! No entanto, não nos responsabilizamos por nenhuma consequência direta ou indiretamente tomada com base nas informações desde website.

    Se quiseres explorar mais conhecimentos e informações em fontes credíveis e reconhecidas, clica aqui para ver a lista de recursos que recomendo.