Viver mais mas…com Saúde!

 

A busca pelo elixir da juventude sempre existiu e arrisco-me a dizer que sempre existirá, e porquê? Porque muitos querem viver eternamente.

 

Mas será que viver muito tempo é sinónimo de saúde? Não necessariamente…

 

Não consigo, pelo menos para já (heheh), entregar-te a fórmula da juventude, mas consigo falar-te sobre longevidade e saúde.

O que achas que aconteceria se uma população inteira focasse quase toda a sua alimentação em alimentos de base vegetal?

Os japoneses de Okinawa, respondem-nos a esta questão.

Antes da entrada de restaurantes de fast-food em Okinawa, este povo tinha uma das esperanças de vida mais longas do mundo, o que atualmente já não se verifica pois com o aumento dos níveis de gordura saturada nas suas dietas, viram os seus anos de vida a diminuir.

De qualquer forma, na época em que eram consideradas uma das populações com taxas de longevidade mais elevadas, as suas dietas tradicionais eram baseadas em vegetais, feijões e outras plantas, onde apenas 3% do que comiam correspondia a produtos de origem animal e derivados como o peixe, a carne, o leite e ovos, ou seja, mais de 96% da sua alimentação era composta por alimentos de base vegetal, com um consumo elevado de batata doce, nas variedades roxa e laranja.

 

E aqui surge a questão. Então porque viviam eles mais tempo?

 

Porque quando nos alimentamos com uma dieta baseada em + de 90% de plantas alimentares a nossa alimentação torna-se altamente anti-inflamatória e com elevado consumo de antioxidantes, que, por sua vez, promove a nossa saúde e bem-estar.

Na altura em que Okinawa mantinha esse padrão alimentar baseado numa dieta de base vegetal, apresentavam taxas de 8 a 12 vezes menores de mortalidade por doenças cardíacas do que os Estados Unidos, tinham também uma probabilidade de 2 a 3 vezes menor de vir a morrer de cancro de cólon e 7 vezes menos de mortalidade por cancro de próstata.

Parte desta proteção foi atribuída ao facto de apenas comerem cerca de 1.800 calorias por dia, mas com uma ingestão elevada de alimentos densos em nutrientes, como é o caso dos vegetais e das leguminosas.

Embora a longevidade de Okinawa seja coisa do passado, há populações atualmente que ainda são consideradas populações que mais anos vivem e sem consumirem absolutamente carne nenhuma, são estes os vegetarianos adventistas na Califórnia que têm, provavelmente, a maior expectativa de vida de qualquer população formalmente descrita.

Os homens e as mulheres vegetarianos adventistas vivem em média, entre 83 a 86 anos, respetivamente. De entre estes, os que apresentam uma longevidade ainda maior, entre 87 e 90 anos, eram aqueles que para além de serem vegetarianos também tinham estilos de vida saudáveis, como a pratica de atividade física e o fato de não fumarem, ou seja, na prática estamos a falar de mais 10 anos de vida do que a média da população portuguesa, isto tudo, apenas porque optaram por um estilo de vida simples e equilibrado.

Eu acredito que a redução da ingestão de alimentos de origem animal nos beneficia em vários aspectos, principalmente no que refere à saúde e tu? qual a tua opinião?

 

 

 

Fonte original: Michael Greger M.D. FACLM on January 11th, 2018. https://nutritionfacts.org/2018/01/11/what-do-the-longest-living-people-eat/?utm_source=NutritionFacts.org&utm_campaign=70a81e46b4-RSS_BLOG_DAILY&utm_medium=email&utm_term=0_40f9e497d1-70a81e46b4-24172777&mc_cid=70a81e46b4&mc_eid=d12af97b3a

– Achieve Better Health With Nutrient-Rich Foods Drewnowski, Adam PhD; Hill, James O. PhD; Wansink, Brian PhD; Murray, Robert MD; Diekman, Connie MEd, RD, FADA
https://journals.lww.com/nutritiontodayonline/Abstract/2012/01000/Achieve_Better_Health_With_Nutrient_Rich_Foods.5.aspx

– J Am Coll Nutr. 2009 Aug;28 Suppl:500S-516S. The Okinawan diet: health implications of a low-calorie, nutrient-dense, antioxidant-rich dietary pattern low in glycemic load. www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/20234038

– J Gerontol A Biol Sci Med Sci. 2008 Apr;63(4):338-49. They really are that old: a validation study of centenarian prevalence in Okinawa. www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/18426957

– J Am Coll Nutr. 2009 Aug;28 Suppl:500S-516S. The Okinawan diet: health implications of a low-calorie, nutrient-dense, antioxidant-rich dietary pattern low in glycemic load. www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/20234038

– Mech Ageing Dev. 2014 Mar-Apr;136-137:148-62. doi: 10.1016/j.mad.2014.01.002. Epub 2014 Jan 21.
Healthy aging diets other than the Mediterranean: a focus on the Okinawan diet. www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/24462788

– Ann N Y Acad Sci. 2007 Oct;1114:434-55. Caloric restriction, the traditional Okinawan diet, and healthy aging: the diet of the world’s longest-lived people and its potential impact on morbidity and life span. www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/17986602

– J Am Coll Nutr. 2009 Aug;28 Suppl:500S-516S. The Okinawan diet: health implications of a low-calorie, nutrient-dense, antioxidant-rich dietary pattern low in glycemic load. www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/20234038

– Curr Gerontol Geriatr Res. 2010; 2010: 380460. Published online 2011 Mar 30. doi: 10.1155/2010/380460
PMCID: PMC3068305. Oxidative Stress and Longevity in Okinawa: An Investigation of Blood Lipid Peroxidation and Tocopherol in Okinawan Centenarians. www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3068305/

– J Am Coll Nutr. 2009 Aug;28 Suppl:500S-516S. The Okinawan diet: health implications of a low-calorie, nutrient-dense, antioxidant-rich dietary pattern low in glycemic load. www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/20234038

– Biogerontology. 2006 Jun;7(3):173-7. Caloric restriction and human longevity: what can we learn from the Okinawans? www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/16810568

– Arch Intern Med. 2001 Jul 9;161(13):1645-52. Ten years of life: Is it a matter of choice?
www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/11434797

– Gerontology. 2012 Apr; 58(3): 221-223. doi: 10.1159/000329894 PMCID: PMC3362219 Comments on Dietary Restriction, Okinawa Diet and Longevity. www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3362219

– J Am Coll Nutr. 2009 Aug;28 Suppl:500S-516S. The Okinawan diet: health implications of a low-calorie, nutrient-dense, antioxidant-rich dietary pattern low in glycemic load. www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/20234038

Deixa um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Subscribe!

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.